sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Interior de uma Gaveta



           Uma janela semiaberta, mostra um quarto, uma cama desfeita, um lugar cheio de memórias... Espelho e mesa de cabeceira, algo que o torna especial, diferente do resto. Uma móvel gaveta aparentemente tão normal quanto o resto da sala, mas se eu abri-la, e nós olhamos de perto, tem algo a ver imensa... Ou talvez devêssemos olhar para o que não é visto, torna-se ainda maior... Uma gaveta que nos convida a manter todos os nossos segredos, nossas experiências, emoções, lembranças, palavras... Tudo o que você quer proteger a passagem do tempo, o esquecimento... É uma gaveta sem fundo, tornando-se tão grande que podia amedrontar; tentar mergulhar profundamente dentro... E perdesse... Obter que, à luz da entrada deve ser confundido com o escuro e ir à procura de uma saída, balançando de um lado para outro dentro do interior da gaveta... Pelo contrário, poderíamos preenchê-lo com esperança. Porém, pode acabar confuso assim, não veríamos mais do que gostaríamos... Perdido de qualquer maneira... Mas talvez com um pouco de felicidade, paciência e bom senso começam a ser uma joia preciosa... Por que não também guardar lembranças da infância, sem corrupção, tão sincero como os olhos de uma criança, tão valioso quanto o tempo passa, como o sussurro do vento nos faz sentir vivos, como a respiração, que nos empurra para frente... Nós poderíamos deixar um bom espaço para o silêncio, e bem gerir cada uma das divisões emoções e não se perder entre tanto sentir-se cheio de vida e realidade, mas muito sentimento pode nos fazer perder a cabeça. E assim acabar perdeu novamente... 
Uma gaveta maravilhosa, capaz de armazenar cada uma das emoções necessárias para o equilíbrio, dependendo do tempo e lugar, capaz de nos fazer ter esperança e paciência quando as coisas parecem começar a dar errado, a felicidade, quando nós precisamos compartilhar e difundir entre os nossos ao redor e fazer crescer a sua esperança e de paz... e por que não, como tudo mais, precisamos de bom e ruim para se alimentar e crescer, deixar um pouco de espaço para o ódio, nem rancor, que nos impulsiona a lutar. Gavetas cheias de espaços ocupados por formas como a ganância, crueldade, indiferença ou arrogância ...
A gaveta que, como o nosso dia, só podemos encher ou esvaziar-nos .. Cada um ao seu gosto e escolha, escolhido para aprender a viver... Com momentos eleitos para deixar viver momentos...